28 de agosto de 2014

Sopa de Letrinhas: As Crônicas de Gelo e Fogo: A Guerra dos Tronos

De tanto bafafá que Game of Thrones gerou, me rendi à curiosidade. E olha que demorou, pois faz meses que comprei o livro numa bancadinha da Americanas. Quando comprei o livro, não tinha muita noção sobre o sucesso do livro. Imagina que era famoso, pois via ele com frequência em destaque nas livrarias. Mas confesso que minha compra foi motivada pelo nome do livro e por esta capa linda ! Sobre a história, absolutamente nada sabia. E embora quisesse muito ler, a grossura do livro me dava tremeliques. Pois agora finalmente encarei e não há arrependimentos.

Pois bem, embora Game of Thrones dê nome à série, a série de livros leva outro nome: As Crônicas de Gelo e Fogo. Escrito por George R. R. Martin (esse senhorzinho simpático ao lado), tanto livros e séries viraram um sucesso mundial. E Guerra dos Tronos é o início da história,  é o Livro Um de As Crônicas de Gelo e Fogo, que foi aliás muito premiado. Então hoje vou falar especificamente deste primeiro volume: A Guerra dos Tronos. Embora extenso o livro é fascinante e por isso a leitura torna-se bastante atrativa e até mesmo fácil de concluir.

Quando crianças, adorávamos as historinhas de princesas e reis, não é mesmo ? Pois A Guerra dos Tronos é uma "historia" dessas, só que pra gente grande. Com direito a reis, rainhas más, príncipes, cavaleiros, espadachins, assassinos cruéis, camponeses .... e mortes, muitas mortes, motivadas pelas disputas entre reinos e em busca de poder. Ou apenas para aplacar a fome. Ou apenas, porque se quis matar.
O livro remonta uma época que jamais existiu, numa terra imaginária. Mas não foi tão óbvio concluir isso. A medida que ia lendo e me dando conta da conformação dos reinados, das guerras, dos costumes, das roupas ... a época lembrava muito a Idade Média em algum lugar ao norte do planeta.



No entanto, antes do final da leitura temos as pistas de que não é um lugar que se encaixe em qualquer local do nosso planeta.Você poderia imaginar o Leste Europeu e ao Norte, pensar na Finlândia, Noruega. A conformação das terras do sul se aproxima mais do mapa do Reino Unido. Pensar no Canadá e Groenlândia, já não bate com o posicionamento do sul em relação às terras geladas do livro, bem como faltariam mares nos lugares apropriados. Ou seja, não pense em nenhum lugar do mundo. Imagine como os próprios reinos descritos na história e vá absorvendo o mapa que está presente nos livros pra ilustrar a distribuição dos reinos. Em tempos de Guerra, o posicionamento dos reinos torna-se uma peça chave pra entender a evolução da história.
Apontado o lado geográfico, vamos pensar no tempo onde o livro se passa. Embora pareça ser da era medieval, temos que expandir a mente e imaginar uma época onde há ainda muito mais fantasia além das barbáries já conhecidas. É um livro que retrata muito da nossa sociedade no passado, mas com várias pitadinhas de magia e fantasia. Isso nesse primeiro volume, nos outros, imagino que isso só vai aumentar. Portanto, uma era medieval mas cheia de fantasia.

O que torna a leitura um pouco complicada é pela quantidade grande de personagens. Os nomes dos personagens, alguns estranhos, outros parecidos, tornam tudo um pouco confuso e pede uma atenção especial à leitura. Não foi incomum eu ter que retornar para capítulos anteriores para relembrar quem era aquele personagem. 


Mas no fim do livro me deparei com um adendo bem bacana: uma lista de cada uma das "Casas" (Famílias) que aparecem no livro e quem são os personagens principais daquela casa, seu papel, seus amigos (vassalos na verdade),seus estandartes (abaixo, alguns), etc. Embora esteja no final do livro, esse adendo pode ser consultado a qualquer tempo e é muito útil na leitura. Infelizmente eu só o li quando terminei o livro. Mas notei que ele não tem spoilers, pode ler sem medo. Facilita bastante no entendimento da história, já que o livro é recheado de nomes estranhos e histórias entrelaçadas.

Amei o livro ! Recomendo muitíssimo. Aliás, gostei tanto que já comprei os livros 2 e 3 e também os dvd's de Game of Thrones, da primeira até a terceira temporada. Terminei a leitura do Livro Um, já assisti a primeira temporada (que coincide com o Livro Um e traz uma que outra informação que virá somente no livro 2, mas sem comprometer a leitura, não chegam a ser informações antecipadas demais não) e agora já estou a mil na leitura do livro Dois. E já antecipo pra vocês que estou amando também !


Recomendo muito a leitura.


Que livro ? As Crônicas de Gelo e Fogo - Livro Um: A Guerra dos Tronos
Quem escreveu ? George R. R. Martin
E sobre o que é ? Trata-se de um livro que mescla a era medieval com a fantasia. Uma era de reis, cavaleiros, "mestres feiticeiros", mercenários, cavalos de guerra, costumes antigo e recheado de mortes e brigas e guerras na busca pelo poder (no caso, na busca pela coroa). O romance está presente às pitadas. O erotismo está bem mais presente que o amor em si.
Fácil de ler ? Os capítulos são de tamanho mediano, tornando a leitura pouco cansativa. Cada capítulo fala sobre determinado clã, sobre uma região específica, estando centrado portanto em alguns dos personagens apenas. As histórias vão assim se somando, você vai viajando através dos reinos a cada leitura e montando assim uma evolução dos acontecimentos em diferentes regiões dos reinos e com diferentes personagens, mas sendo todos esses acontecimentos e histórias interligadas diretamente. Isso facilita bastante a leitura. No entanto, como as vezes alguns personagens vão levar um tempo para serem mencionados novamente, dificulta no início na memorização de todos. Precisei voltar para releitura algumas vezes por conta disso.
Cansativo ou Entusiasmante? Achei a história super empolgante. Acho bem difícil ler apenas um capítulo por pegada do livro. A parte mais difícil, como já mencionei, é acerca da diversidade grande de personagens e por conta dos nomes difíceis, estranhos ou mesmo parecidos. Volta a lembrar pra procurar fazer uso do adendo final onde há um bom resumo dos clãs/famílias .
E a linguagem ? Linguagem fácil sem ser simplista. Textos medianamente elaborados mas de fácil leitura. Por vezes passagens com vários diálogos.
Recomenda ? Com certeza. Pra quem aprecia livros de fantasia e não se importa com histórias recheadas de assassinatos, corrupção e estupros. Mas enfim, é a lei da época medieval, vale lembrar. Embora se pensarmos bem, nada disso está longe dos nossos tempos também, apenas, não é tão normal e banalizado como naqueles tempos.

E o dvd (série) ?: Adorei também, estou ansiosa pra terminar o segundo livro pra poder seguir assistindo também a série. É muito fiel ao livro (pelo menos a primeira temporada com o livro Um). Aliás, é tão fiel, que acho que vale a pena dar um intervalo entre o livro e o dvd. Isso pra você que é paciente. Como eu não sei, não aguentei e emendei os dois. E vou fazer isso nos próximos também ! rsrs. A única coisa que difere um pouco é que no dvd os personagens não tem suas idades citadas como nos livros e os atores são visivelmente mais velhos do que os personagens dos livros.  

23 de agosto de 2014

Resenha: Condicionador Schwarzkopf Bonacure Repair Rescue

Tempos atrás estive no Shopping del Este e procurei especificamente por algum produtinho bacana pra usar nos cabelos. Estava em busca de algum creme de tratamento ou condicionar, shampoo, enfim, que fossem reparadores ou hidratantes.

Me deparei com linha da Schwarzkopf mas as opções deles não eram muitas. Acabei optando por comprar apenas o condicionador da Linha de Resgate e Reparo, que promete força, elasticidade e brilho com aparência saudável. 



O condicionador tem um cheiro discreto, neutro, o que acho muito positivo já que eu não curto muito briga entre cheiros de cremes e perfume. Tem uma consistência intermediária, nem fluido e nem pastoso demais, e o rendimento é bom. Mas não incorpora no cabelo em uma simples passada, sendo necessário espalhar bem e massagear pra melhor aproveitamento.

A sensação no resultado é de maciez mas nada extraordinário. Também não notei nada extraordinário em termos de recuperação do cabelo a longo prazo. O que notei foi uma aspecto saudável ao uso, no imediato, no dia. Bem como a maciez que comentei. Mas nada sustentado, ou seja, não como tratamento mesmo. Mas minhas expectativas eram grandes, até mesmo em virtude de eu ser super fã dos produtos Schwarzkopf. Ou seja, acho que o produto é superior aos produtos de prateleiras comuns, mas não tem nada que o destaque quando pensamos em linha tratamento ou profissional.

Quanto ao preço, paguei na época $ 25,00 (dólares). Vem 1 litro de produto e como eu disse tem um bom rendimento.




Bom, sei que com tanta facilidade pra comprarmos marcas boas no Paraguai, pretendo arriscar alguma outra marca ou produto na próxima. Enquanto isso, sigo usando meu  Schwarzkopf, até mesmo porque ele tem deixado meus penachos macios e hidratadinhos, apenas não no grau esperado.

E era isso.

Beijokas de Pimenta !

19 de agosto de 2014

Mais um Café com Teatro de sucesso no Zeppelin Old Bar

Que saudade que eu estava ! Fazia tempo que não rolava um Café com Teatro.. e vocês também sentiram falta ? Eu, muita ! E que alegria me deparar com mais esta edição no Zeppelin e com um espaço novo de confraternização que trouxe todo um charme adicional pra esse Café. 

Foi no domingo de dia dos pais, pra fechar o dia de forma bacanérrima.


Se você não conhece ainda a proposta, cá vai um resumão: o Café com Teatro é um evento promovido pela Casa do Teatro que transforma o palco num cenário ampliado, com espaço pra dança, interpretação, música, cultura, desenho, artesanato, a expressão da arte nas mais diversas formas etc e tal. 

E o Zeppelin Old Bar tem sido um parceiro deste evento há alguns anos. Seja nas edições que acontecem no bar ou mesmo nas edições no Teatro Barracão, o Zé, está sempre presente. E desta vez a casa inovou, trazendo uma nova conformação do espaço pra melhor receber os artistas e o público.

Confiram alguns clicks:

André Rangel e Leda Lúcia marcaram presença e aproveitaram pra contar um pouco sobre o espetáculo Gargalhadas.


 E tem teatro, tem dança, tem brechó, tem moda pop, tem leitura, tem fotografia, tem música, tem de tudo um pouco.




 










O bacana deste evento é que o entorno do palco é tão importante quanto o palco em si: é uma profusão de arte e percepção, canto e encanto, a arte de interpretar e a arte de apreciar, a cultura entra na roda da confraternização. Lindo, como sempre. E teve um toque especial o cantinho com o céu como testemunha destas lindas cenas.

Já ansiosa pelo próximo. Café com Teatro dá sempre um gostinho de "quero mais". 

17 de agosto de 2014

4º Fashion Bazar

E na semana passada rolou mais um Fashion Bazar aqui em Foz, na Divisa Veículos. E como nos outros anos, envolveu diversas lojas renomadas de Foz com preços pequeninos.
 
Quando estive no 2º Fashion Bazar fiz umas comprinhas de vestuário bem interessantes. No ano passado não consegui comparecer mas este ano fiz questão de conferir nem que fosse o finalzinho da festa. Ainda bem que eles ficam até tarde, pois eu fui mesmo no último dia, sábado, após o trabalho, ou seja, cheguei lá já de noitinha. E ainda assim consegui fazer umas comprinhas que valeram muito a pena.

Pelo que falei com os expositores as vendas foram boas e o pessoal compareceu novamente. Que bom, pois espero que esse evento siga ocorrendo todo ano. Afinal, promoção é com a gente mesmo ! E eu adoro "cavocar achadinhos". Pois este ano comprei alguns calçados bem bacanas, um na Stika Shoes e outro na Langaro. Também comprei 2 mimos de bebê pro pequerrucho de uma amiga minha, estes no cantinho da Donna Koruja.


Esta sapatilha é da Stika e é super confortável mas também fica bem firmezinha no pé. Além das tachinhas graciosas o detalhe fica por conta da oncinha com pêlos sintéticos. Dá um look na textura:



Já esse outro sapato eu comprei na Langaro. Um salto modesto, baixo e larguinho, mas o sapato é tão lindo que serve pra dar um ar mais arrumadinho sem perder nada em conforto. E ainda por cima é um JB (Jorge Bischoff) que é uma marca que adoro. Curti pois acho que esse sapato tem tudo pra ser um coringa no armário:


O material é de alta qualidade, como já esperado de um JB, e o couro impecável. Amei ! Aliás, no cantinho da Langaro haviam vários calçados lindos em promoção, inclusive umas botas muito show. Eu só não aproveitei mais, porque já que a ordem era economizar, rodei o salão e fiz minhas pequenas Grandes escolhas rsrs. E aqui o detalhezinho do JB:


E por fim minha outra compra foi numa loja de moda infantil, onde comprei 2 peças fofas pra presentear o baby de uma amiga:



Legal né ? E olha que tinham várias outras lojas participantes. Vestuário feminino, calçados, lingeries, roupas infantis, acessórios, roupas de festa. Só acho que é um pouco modesto na parte de vestuário masculino, onde as opções são bem mais escassas.

Mas adorei. E olha, confesso que no sábado saí tarde do trabalho e bateu uma preguicinha, quase não apareci. Ainda bem que reuni as últimas forças e não deixei de comparecer no Bazar, ainda que na finaleira. Vale muito a pena ! Então, fica a dica, se perdeu a deste ano, não deixe de conferir nos próximos. Até hoje fui em 2 edições e em ambas tive a grata surpresa de encontrar achados bacanas. Ano que vem quero estar lá novamente e ir nos primeiros dias pra ver tudinho em primeira mão !

Fica a dica !


7 de agosto de 2014

Sopa de Letrinhas: O harém de Kadafi

Comprei este livro numa promoção da Saraiva mais pela curiosidade. Eu me lembro bem sobre como a morte do ditador Kadafi havia sido amplamente divulgada na tv mas não cheguei a me inteirar sobre e quando li o livro não tinha nenhuma noção sobre a situação da Líbia. Foi um choque lê-lo.


O livro relata a história de uma mulher, "Soraya", que ainda adolescente foi raptada de sua casa para ser transformada em mais uma das centenas de escravas sexuais de Kadafi, então ditador da Líbia. Kadafi governou por décadas com extrema violência e truculência. Como toda "boa ditadura", funcionava ao ritmo de "ou você entra na roda, ou está morto". E foi através do medo e da tirania que ele montou em sua fortaleza um harém de escravas. Embora muitas mulheres aceitassem o sexo com Kadafi em troca de favores ou dinheiro, boa parte delas era obrigada a passar pelas suas mãos. Mulheres e homens aliás. 

Além de narrar a história de vida de Soraya a autora ainda tenta descobrir mais fontes dispostas a revelar sobre os estupros que aconteciam recorrentemente por parte do ditador. Por recorrentemente leia-se: diariamente ! Por incrível que pareça, até mesmo as mais altas patentes do governo tinham conhecimento das perversões de Kadafi, seus raptos e estupros. Tudo era público, no entanto ninguém falava sobre o assunto. E as famílias, faziam de conta que nada sabiam, se escondiam ou mesmo tratavam de esquecer suas meninas raptadas para não passar vergonha diante dos vizinhos e conhecidos. E mesmo agora depois do ditador morto, o assunto ainda é velado e cercado de mistérios.

O mais repudiante nisso tudo é que Kadafi se dizia um defensor dos direitos das mulheres. Usava elas inclusive como propaganda de governo. Aos olhos do seu país e mundo, Kadafi era um incentivador do ensino das mulheres. No entanto as escolas e faculdades eram na verdade o meio mais fácil dele realizar buscas de novas escravas. O mundo se admirava com suas amazonas, sua guarda pessoal composta exclusivamente de mulheres. No entanto essas mulheres tanto eram vítimas de seus abusos sexuais, como muitas posteriormente auxiliavam ele nas buscas e na vigilância de suas novas vítimas. 


Mas o que há de mais chocante nessa história ? Saber que numa época como a que vivemos ainda há lugares que tratem as mulheres de forma tão cruel e preconceituosa e mesmo sendo elas vítimas de violências, toda a sociedade e até mesmo suas próprias famílias viram as costas pra elas. É um horror a maneira como essas mulheres são tratadas, em nome da religião e dos próprios costumes do país.

É triste pensar que tantas pessoas tenham tido suas vidas destruídas por esse homem e mesmo depois de tudo que passaram sigam sendo vítimas da sociedade em que vivem. Kadafi foi morto em 2011, mas essas mulheres seguem prisioneiras de sua história, tendo que se esconder do passado, fugir de suas vilas originais, simplesmente para evitar o desprezo dos vizinhos, a vergonha da família, o desrespeito por parte da sociedade. É lamentável.

Enfim, um livro forte e indigesto. Repugnante. Mas não se pode fechar os olhos para essa história. "Soraya merece ser ouvida". 

Que livro ? O Harém de Kadafi
Quem escreveu ?  Annick Cojean (jornalista)
E sobre o que é ? Mais do que uma narrativa sobre o horror que Soraya passou ao ser raptada ainda adolescente e transformada em escrava sexual do ditador Kadafi, é uma denúncia contra as barbáries cometidas pelo ditador contra tantas outras mulheres e mesmo homens num jogo de poder onde o sexo era usado como arma. Trata-se também de um livro protesto contra o velamento do assunto onde a sociedade local segue ignorando as atrocidades cometidas pelo ditador, ignorando suas vítimas e tratando-as com desprezo.
E a línguagem ? A linguagem é simples e direta, de fácil leitura.
Empolgante, Emocionante,  Enfadonho ? Nada disso. Trata-se de um livro de revirar o estômago. Forte e impactante. Mas recomendo a leitura. Acima de tudo as vítimas merecem ser ouvidas, merecem que sejamos capazes de nos chocar e lamentar pelo que passaram, entendê-las como vítimas. Mas infelizmente a sociedade local não parece nem um pouco dispostos para tanto. 


 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...